Una Arquitetos: Edifício residencial, SP

Esta não é uma obra-prima

Com o Edifício Huma Klabin, os arquitetos do escritório UNA sabem que não construíram um simples prédio, mais um entre tantos, ainda que talvez melhor sucedido do que outros. Sabem ter realizado uma sorte de manifesto, capaz de declarar de forma exemplar alguns dos princípios mais profundos compartilhados com profissionais da sua geração. Uma espécie de manifesto coletivo. Menos fácil, é determinar as razões de tal convicção

Certo, o edifício é estudado com particular cuidado, e sobretudo sua relação com o entorno é resolvida graças a vasto repertório de soluções: a disposição variada dos apartamentos, organizados em blocos verticais orientados em função das características da área circundante; a eliminação dos filtros de todo tipo entre cidade e edifício, particularmente evidente nos corredores, permitindo a interpenetração entre interno e externo; a renúncia a uma pequena porção de terreno, na frente, com recuo realizado a fim de incorporar parte do lote ao espaço público, doando ao transeunte, sem restrição qualquer, um banco para se sentar. Detalhes todos significativos, e que dizem muito sobre a consciente intenção das escolhas feitas pelos arquitetos. Contudo, poderíamos ainda proceder longamente nesta direção, elencando outros recursos dignos de atenção, sem todavia conseguirmos apreender o motivo da importância da obra.

Por sua vez, tratam-se de ações que revelam limites inegáveis. Para além da vontade dos arquitetos, a programática abertura do edifício para a rua, numa cidade de muros como São Paulo, tende a reduzir-se por força das circunstâncias a uma questão de transparência visual e de jogo de olhar. Quando se tenta forçar tal limite imposto, como no caso do recuo frontal, não se pode obter senão o efeito de tornar habitável e aconchegante uma membrana que, em última instância, continua a separar.

O Edifício Huma Klabin declara, com rara clareza, a aspiração a uma cidade na qual privado e público se interpenetram; mas o faz propriamente porque São Paulo é uma cidade que, pelo menos no último meio século, tem se configurado como um arquipélago de ilhas fortificadas, dispersas em um oceano percebido como povoado por piratas e corsários, senão por monstros inomináveis.

Pelo fato de encontrar-se obrigada a enunciar tal vontade, a construção declara porém a própria incapacidade de resolver na base um problema que, de fato, extrapola as suas possibilidades. Ainda mais importante do que as escolhas arquitetônicas postas em cena, no Edifício Huma Klabin é todavia relevante a linguagem com que isto acontece. Não encontramos palavras altissonantes, mas uma fala simples. Estamos defronte a uma peça em prosa, não em poesia. Quem o projetou, não o fez com a ambição de criar uma obra memorável, uma obra-prima. E, por mais que talvez possa parecer paradoxal, é nesta renúncia que sentimos encontrar a expressão de uma esperança e a indicação de um caminho.

O Edifício Huma Klabin é o manifesto de uma arquitetura que está humildemente tentando transformar a cidade de maneira silenciosa, através de pequenos atos mais do que de gestos espetaculares. O Una apela implicitamente aos seus colegas, convidando-os a aproveitar as chances oferecidas pelo mercado imobiliário paulista para se empreender uma paciente campanha de transformação urbana, sem cair na tentação da obra extraordinária, isto é, animada com a pretensão de resolver tudo de uma vez só. É o manifesto de uma geração que sabe muito bem que este tipo de solução é ilusório. E, portanto, coerentemente pronunciado em voz baixa: nada além - no fundo - do que um edifício de apartamentos, um simples prédio, um entre tantos - em um dos inúmeros bairros residenciais de São Paulo.

Por Daniele Pisani (*), autor do livro "Paulo Mendes da Rocha: Obra Completa", da Editora Gustavo Gili

O PROJETO HUMA KLABIN

O Huma Klabin é um edifício residencial localizado no bairro da Vila Mariana, em São Paulo. Trata‑se de uma região qualificada pelo uso misto e pela farta disponibilidade de infraestrutura de transporte público, comércio e lazer. Cercado por edifícios altos, baixos e vazios, o lote está em cota favorável à visualização do entorno através de frestas remanescentes em meio à massa edificada, para as quais os arquitetos do Una direcionaram as aberturas dos apartamentos.

São cinco unidades por andar (115 apartamentos no total), com tamanhos de 44 metros quadrados e, um deles, de 67 metros quadrados, distribuídos em duas torres. Uma delas tem 12 andares e, a outra, 11, interligadas pelo corredor central de acesso aos apartamentos. Também este espaço coletivo é aberto para o entorno, desprovido, inclusive, de vedação.

As rotações das janelas das unidades em busca da melhor vista, aeração e insolação gerou a alternância de faces envidraçadas com empenas de concreto, uma das características marcantes da construção. Garagens (duas, no total) e ambientes de uso coletivo ocupam o embasamento escalonado do edifício, estando as áreas sociais, de serviço (uma lavanderia comunitária) e lazer (sauna, sala de ginástica e piscina) distribuídas em dois pavimentos abertos e de livre fruição, resguardados do exterior apenas pela diferença entre cotas. Já o recuo frontal, exigido pela legislação urbanística, foi transformado em um jardim de uso público, transferindo-se para o térreo elevado o controle de acesso ao prédio.

Os apartamentos possuem varandas frontais que ocupam a largura total das fachadas e também as unidades de cobertura, do tipo dúplex, que são servidas por terraços/solários parcialmente cobertos, mas totalmente abertos. A construção é em concreto armado aparente. (**)

 
 

Criado em 1996, o escritório paulistano Una Arquitetos é constituído por Cristiane MunizFernando Viégas, Fernanda BarbaraFábio Valentim, todos formados pela FAU/USP e professores da Escola da Cidade.



Ficha Técnica

EDIFÍCIO HUMA KLABIN
Local São Paulo, SP
Área do terreno 1.145,05 m2
Área construída 5.085,55 m2
Data do início do projeto 2012
Data da conclusão da obra 2016

Arquitetura Una Arquitetos - Cristiane Muniz, Fábio Valentim, Fernanda Barbara, Fernando Viégas (autores); Eduardo Martorelli, Hugo Bellini, Igor Cortinove, Marta Onofre, Paula Saito, Pedro Domingues Silva, Ana Julia Chiozza, Luisa Cleaver, Marie Lartigue, Thiago Benucci, Julia Jabur Zemella (colaboradores)
Equipe Huma Beatriz Bertho, Fabio Miranda, Felipe de Gerone, Rafael Rossi 
Geotecnia Damasco Penna 
Estrutura Edatec 
Instalações Etip 
Luminotécnica Studio Serradura 
Esquadrias Arqmate 
Paisagismo Soma 
Impermeabilização Proiso
Comunicação visual Nitsche ­Arquitetos
Interiores Triplex Arquitetura
Construção Gattaz Engenharia
Fotos Nelson Kon

 

 

Fornecedores

Forma de concreto Doka
Toldos TPS Persianas
Caixilhos Adalume Alumínio
Vidros Mansur Vidros
Elemento vazado Neorex
Pisos e forros de madeira Parquet União
Ladrilho hidráulico Rochbeton
Piso drenante Megadreno
Piso granilite e fulget Granitorre
Serralheria Serralheria Fercap
Louças e metais Deca

 

Texto de Daniele Pisani (*) e Evelise Grunow (**)| Publicada originalmente em Projeto Design na Edição 433
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora