Mira Arquitetos: Edifício institucional, Brasília

Base de pedra e metal envolto por véu

Sobre a pedra que emerge do solo repousa uma caixa metálica envidraçada e envolta por um véu/muxarabi. Esta é a síntese do projeto que o estúdio Mira Arquitetos, de São Paulo, idealizou para a sede da Confederação Nacional dos Municípios (CNM). o conjunto, localizado no Setor de Grandes Áreas Norte, em Brasília, foi recentemente concluído e será ocupado ao longo do segundo semestre desse ano

Certa perplexidade podia ser notada na diretoria da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) quando, em dezembro de 2010, Luís Eduardo Loiola e Maria Cristina Motta, dupla de arquitetos autores da proposta vencedora do concurso de projetos para a nova sede da entidade, foi à capital federal para a solenidade de premiação.

Loiola e Maria Cristina recordam de terem notado o aturdimento dos contratantes, seja pela pouca idade de ambos ou por sua inexperiência em projetos de tamanha envergadura. A incerteza, eles presumem, era se o Mira Arquitetos, estúdio no qual eram sócios, daria conta da incumbência. Mas a dupla se saiue bem: passados pouco menos de seis anos, a sede da entidade está pronta e sua ocupação deverá ocorrer ao longo de 2016.

A nova casa da CNM fica no Setor de Grandes Áreas Norte, relativamente perto do lago Paranoá. Para os autores, o conjunto é “um prisma metálico branco que delicadamente flutua sobre o embasamento de concreto”. Nessa base - que eles afirmam ser o fio condutor da proposta - distribuem-se os espaços de uso coletivo, destinados a receber o público externo e os ambientes de estar. Já as áreas administrativas, de reuniões e diretorias se encontram na lâmina metálica.

O embasamento - levemente rebaixado em relação ao nivel médio do terreno - foi tratado como praça e desdobrado em dois setores. “Na cota 1042.70 o espelho d’água orienta o percurso do pedestre rumo à recepção, configurando o acesso às áreas administrativas; já na cota inferior encontra-se a praça cívica, por onde é possível chegar ao complexo do salão de eventos. Uma escadaria conecta os dois planos, que funcionam autonomamente sem prejudicar a rotina de trabalho administrativo”, descrevem os arquitetos.

A dualidade entre o térreo e os andares superiores “se repete nos sistemas construtivos, parte em concreto, parte metálico”, observa Loiola. A lâmina metálica, que alcança 75 metros de comprimento, está apoiada em apenas quatro pontos - são duas grandes treliças de cada lado com balanços de 15 metros e vão central de 45 metros. Essa estrutura é periférica, deixando a laje completamente livre.

A principal mudança do projeto em relação ao concurso se deu na implantação, seguindo uma recomendação do júri. Saiu o auditório, que demandaria vagas excessivas de estacionamento e, com isso, “conseguimos aumentar a área de escritórios. O prédio se tornou mais largo e criamos o vazio central, que é das coisas mais interessantes da construção”, opina Cristina.

A caixa metálica envidraçada recebeu uma segunda pele, que funciona como fachada ventilada. Essa proteção é constituída por réguas metálicas perfuradas dispostas na forma de venezianas. “Queríamos fugir das paginações das placas perfuradas, que deixam os projetos muito marcados”, justifica Loiola. Na solução adotada, a aparência externa é a de uma parede opaca no período diurno. De dentro, porém, ela é transparente. À noite, o prédio transforma-se em uma caixa de luz.

 
Luís Eduardo Loiola e Maria Cristina Motta se formaram em 2003 pela Fundação Armando Álvares Penteado (Faap) e fundaram o Mira Arquitetos em 2008. Loiola é mestre em Arquitetura e Urbanismo (FAU/Mackenzie, 2016) e Cristina em Habitação (Instituto de Pesquisas Tecnológicas, 2011).



Ficha Técnica

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS
Local Brasília, DF
Área do terreno 5.040 m2
Área construída 10.488 m2
Data do início do projeto 2010
Data da conclusão da obra 2016

Arquitetura Mira Arquitetos - Luís Eduardo Loiola e Maria Cristina Motta (autores); Ana Carolina Sumares, Luís Felipe da Conceição, Marcelo Ribas, Luisa Leme Simoni, Gabriela Lira Dalsecco (colaboradores)
Estrutura Kurkdjian e Fruchtengarten Engenheiros Associados
Fundações Mag Solos Engenheiros Associados
Instalações prediais MHA Engenharia
Luminotécnica Lux Projetos
Esquadrias Dinaflex
Paisagismo Gabriela Ornaghi
Construção Soltec Engenharia
Fotos Leonardo Finotti 

Fornecedores

Estrutura metálica CPC
Brises e forros de madeira Hunter Douglas
Forro mineral Knauf AMF
Forro grade Grademax
Vidros Saint Gobain
Pastilhas Vidrotil
Pisos elevados Total Piso
Luminárias Itaim, Reka, Mopa, Lumini, Reeme, Interlight, Philips
Piso de madeira Indusparket
Louças e metais Deca
Portão guilhotina Snaldi
Esquadrias Safra

 

Texto de Adilson Melendez| Publicada originalmente em Projeto Design na Edição 432
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora