Urban Ode: Casa C52, Capão da Canoa, RS

Residência resguardada

O projeto privilegia áreas de convivência, conectando a parte social com o pátio dos fundos, onde estão deck e piscina

Fugir da mesma tipologia das casas de um condomínio no litoral gaúcho - esquadria de cima a baixo, pé direito duplo e escada envidraçada - foi a premissa para o projeto da Casa C52, projetada pelo escritório de Porto Alegre, Urban Ode. Assim surgiu a proposta de projetar uma residência que se resguardasse, abrindo-se apenas para o deck, ao fundo do terreno.

Outra atitude que guiou os arquitetos sócios do escritório Alessandra Fassina e Eduardo Paiva Ribeiro, foi elevar o térreo da casa em 50 centímetros para que o veículo estacionado não fosse visto da sala e, com isto, o acesso principal seria feito por uma rampa de leve inclinação, protegendo a porta de entrada que ficaria recuada.

“Por se tratar de uma casa de praia, nossa demanda foi que os quartos fossem de tamanho reduzido, funcionais e as áreas de convivência fossem privilegiadas. O cliente também queria que a casa servisse para todos os públicos, então temos dois quartos no térreo, por questões de acessibilidade facilitada”, comentam os autores no texto descritivo do projeto.

O volume que abriga a parte social foi pensado para ser mais aberto, relacionando-se diretamente com o pátio dos fundos, onde estão deck e piscina. Para descolar o volume íntimo, ainda no pavimento térreo, foi utilizado um jardim de inverno, que quebra a volumetria do conjunto em dois blocos – ganhando assim mais quatro aberturas, mantendo a ventilação cruzada.

Já o pavimento superior foi resolvido como um bloco único, sendo a sacada íntima resultante do encontro do pavimento inferior com o superior, apenas protegida por uma parede de concreto aparente.

Segundo os arquitetos, a composição de planos foi preponderante, começando pela fachada mais ao leste. “Para quebrar a dureza formal do conjunto, trabalhamos com a decomposição dos volumes em planos. É possível perceber isto na fachada lateral onde se lê o plano inferior em duas partes de tijolo cerâmico (parede do pergolado, a qual divide o fluxo do acesso secundário, e parede lateral da área social), o plano superior do bloco íntimo também em tijolo e o plano de concreto armado que dá privacidade à sacada”, eles explicam.

A mesma lógica foi usada na fachada frontal e posterior, onde os planos de tijolo passam 10 centímetros e soltam os demais elementos: vigas em concreto aparente, alvenarias rebocadas e pintadas de branco e aberturas em vidro. Para os autores, as soluções buscaram dar legibilidade ao conjunto, "característica esta que acreditamos ser o grande determinante de um grande  'design'". 



Ficha Técnica

Casa C52
Local Capão da Canoa, RS 
Data do início 2015
Data da conclusão da obra 2017
Área da construída 280 m²

Arquitetura, execução e interiores Urban Ode Arquitetura e Urbanismo - Alessandra Fassina e Eduardo Paiva Ribeiro
Empreiteiro Paulo Pereira, Sidnei Speransa e Leonardo Bittencourt 
Engenheiro estrutural Alexandre Klein
Marcenaria Nova Canaã
Mármores e granitos Magni e Rosa
Floricultura Verde e Mar
Eletricista Tiago Novaski
Fotos Marcelo Donadussi 

Fornecedores

Piso laminado Ipê Âmbar Durafloor
Porcelanato Elizabeth, Eliane Revestimentos, Portinari
Metais Docol 
Aparelhos sanitários R design 
Box de vidro Ideia Glass

Publicada originalmente em ARCOweb em 25 de Maio de 2017
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora