Sartori Design: Sala de controle de qualidade, Alfenas, MG

Degustação de café em contêineres reciclados

Projeto repensa o uso de contêineres e investe em sustentabilidade

Das quase três décadas que trabalha como degustador e classificador de cafés da Ipanema Coffees, na Fazenda Conquista, área rural de Alfenas, MG, Márcio Silveira passou a maior sob as tulhas que armazenam toneladas do produto. Até pouco tempo, era numa acanhada sala que, centenas de vezes ao dia, ele repetia o ritual profissional de, de forma vigorosa, sugar a bebida de uma maneira que, num só movimento, o líquido envolva a boca da ponta da língua até a garganta, para aprovar (ou reprovar) a bebida.

Era nesse mesmo ambiente – o da sala de provas - que a diretoria da empresa, uma das mais reconhecidas produtoras de cafés especiais, recebia os importadores que vêm à fazenda para avaliar os tipos de café que a empresa cultiva e comercializa. Desde o primeiro semestre desse ano, Silveira saiu de debaixo das tulhas e passou a trabalhar em contêineres, num ambiente que compartilha com outros profissionais e onde também a empresa passou a receber seus visitantes.

Descrito dessa forma parece não ter havido grandes cuidados com a mudança, uma vez que a chegada e partida desses reservatórios faz parte do cotidiano da fazenda. Por trás dessa novidade estão, porém, tanto conceitos sustentáveis que a diretoria da empresa assegura fazer parte de suas estratégias (como a preocupação com a preservação ambiental) como o cuidadoso projeto de arquitetura do escritório Sartori Design desenvolvido com base no reaproveitamento desses recipientes.

A partir da inauguração, a Sala de Controle e Qualidade de Café - como é tecnicamente chamada a edificação - tornou-se o principal ponto de encontro de clientes e visitantes da fazenda. “Nosso objetivo com o espaço foi fazer com que os clientes tivessem uma experiência única de degustar os cafés em um espaço que prima pela inovação e pudessem atestar a preocupação que temos, em cada detalhe, com a harmonia entre os processos de produção e o meio ambiente”, afirma Washington Rodrigues, presidente da Ipanema Coffees.

Ao ser contratado para a tarefa o Sartori Design sabia que teria, por determinação da contratante, de desenvolver o projeto a partir do reaproveitamento de contêineres. Ainda que possam durar mais de um século, depois de vinte anos de uso, em geral esses reservatórios são descartados e, muitas vezes, abandonados nos portos – há comentários de que navios os descartem em alto-mar. No caso da sala de provas da Ipanema foram utilizadas sete dessas peças, o que corresponde a 27 toneladas de aço.

“Embora a aplicação deles em construções esteja em alta pela estética e sustentabilidade, é pouco comum o uso de várias peças em uma estrutura única, transformadas em espaços diferenciados, como foi concebida a obra na Ipanema Coffees”, afirma Gabi Sartori, arquiteta responsável pelo projeto. A forma como os contêineres foram arranjados, as cores e o fato de as peças estarem ora apoiadas, ora em balanço, destacam a construção implantada junto às instalações de processamento do produto.

O contêiner de baixo - onde foram dispostos todos os equipamentos estruturais necessários à operação da sala, é o que dá apoio a edificação. Acima existem outros dois andares. A arquiteta observa que todo o projeto executivo da construção, considerando a compatibilização das medidas, os apoios feitos nas amarrações e reforços nas partes internas, deve definir tudo com exatidão absoluta. “Uma vez iniciada a obra, não há margem de retorno, sob pena de perda do contêiner”, ela destaca.

Na face principal do edifício (que está voltada para as áreas de secagem, beneficiamento e lavoura) a vedação é quase que totalmente envidraçada para garantir o aproveitamento da luz natural e, ao mesmo tempo, permitir aos vistantes ampla visão da propriedade. O projeto também se preocupou com as questões térmicas e acústicas. Para reduzir a entrada de calor e o uso de ar-condicionado, por exemplo, as paredes internas foram revestidas com material termoacústico produzido a partir de PET.

A escolha desse material se deu em razão de ele apresentar a mesma eficácia da lã de rocha ou da lã de vidro e por ser considerado mais sustentável. Somada ao teto verde, o material permitiu reduzir a temperatura interna do conjunto em 6 graus centígrados. Outra medida associada à sustentabilidade diz respeito à água utilizada na operação – descartada, ela é tratada por um sistema de biodigestores anaeróbico de baixa manutenção, sendo empregada na rega de jardins, entre outras funções.

A maior parte da energia consumida no espaço tem origem em uma bateria de painéis fotovoltaicos – são doze placas instaladas ao lado da edificação que suprem 70% das necessidades de consumo calculada em cerca de 490 kWh mensais. Outra prova da identificação da Ipanema com a sustentabilidade é que as mesas de provas foram produzidos com troncos de antigos pés de café com 45 anos de idade – as árvores são arrancadas como parte da natural renovação da plantação.

Madeiras de demolição e tijolos reaproveitados de antigas construções foram empregados na conformação interna do espaço de forma inteligente compondo um design sustentável, agradável e contemporâneo. Enquadra-se ainda nos critérios alinhados aos princípios das construções sustentáveis o processo de cuspe, que é inerente à tarefa de provar/degustar cafés – os líquidos que sobram dessa “ruidosa” operação são utilizados na reciclagem e os sólidos aproveitados como adubo nos jardins.



Ficha Técnica

Sala de Provas, Fazenda Conquista, Ipanema Coffees
Local Alfenas, MG
Data do início projeto 2016
Data da conclusão da obra 2017
Área do terreno 155 m²
Área construída 200 m²

Arquitetura, interiores e luminotécnica Sartori Design
Paisagismo e hidráulica Equipe Ipanema
Elétrica LL elétrica
Hidráulica Equipe Ipanema
Ar condicionado Pontual Refrigeração
Construção Eco 3R
Fotos Eder Bruscagin

Fornecedores

Serralheira União (cobertura)
Concrelongo (concreto)
Gesso Dois Irmãos (divisórias e forros)
Prot Larme (equipamentos de segurança)
Espaço Smart (isolamento termoacústico)
JR Vidros (janelas e vidros)
Estúdio Iluminação (lâmpadas)
Marilena Gonçalves (luminárias)
Carpintaria Cardoso (mobiliário)
Minas Pedras (pedras, mármores e granitos)
Leão do Sul (tintas)

 

Publicada originalmente em ARCOweb em 30 de Agosto de 2017
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora