Projetos sustentáveis e certificados foram tema de palestras

A Expo Arquitetura Sustentável apresentou cases de projetos com tipologias variadas

Realizada em São Paulo, entre os dias 4 e 8 de abril, a feira Expo Arquitetura Sustentável – que aconteceu paralelamente à Feicon Batimat – apresentou novidades do setor da construção, além de um circuito de palestras, abordando temas como sociedade sustentável, eficiência energética, certificações e projetos urbanos sustentáveis.

Um dos projetos apresentados como case durante o evento foi a sede da empresa L'Oréal, no Rio de Janeiro, executado pelo escritório carioca RRA. O projeto conta com quatro tipos de certificações, que consideram variados critérios de avaliação: LEED, pelo espaço sustentável, gestão de água e energia, materiais e recursos, qualidade ambiental interna, inovação e processos e prioridade regional; AQUA HQE, pela relação com entorno, adaptabilidade e escolhas de sistemas e processos, obras x impacto ambiental, gestão da energia, água e resíduos, manutenção, conforto do usuário, qualidade ambiental interna e eficiência energética; Procel, pela eficiência energética, envoltória, iluminação e ar condicionado; e Qualiverde, pela gestão de água, eficiência energética e projeto.

“Todas essas certificações procuram buscar que o projeto seja alinhado com as questões básicas para um mundo sustentável e resiliente. Existem ainda distorções em cada uma, seja por seu foco maior ou por outras características próprias a suas origens. ​Todas avaliam sistemas e comparam resultados,​ algumas com maior especificidade e aprofundamento e outras com maior foco em conceitos”, comenta o arquiteto Ruy Rezende, sócio fundador do RRA.

Entre as soluções e sistemas aplicados no projeto, estão o reúso de águas pluviais e águas cinzas, automação predial, estrutura mista em concreto, steeldeck e pilares metálicos, elevadores com antecipação de chamada e frenagem regenerativa, postes solares fotovoltaicos, vagas para carros elétricos, bicicletário, entre outros.

Rezende afirma que os projetos desenvolvidos pelo escritório são concebidos para serem eficientes e alinhados com a questão da sustentabilidade. “Para nós, isso ​é um ​fundamento para projetar, porém o cliente que ​decide por certificar ou não um projeto”, ele explica.

Outro tema abordado durante o encontro foi a operação sustentável no ambiente hospitalar, apresentando como case o hospital Santa Paula, na capital paulista. O projeto, que possui a certificação AQUA na categoria Operação e Uso do Edifício Sustentável, apresenta diversos indicadores de desempenho para atender aos critérios mínimos exigidos.

De acordo com o gerente de engenharia do hospital, Walmor Brambilla, o empreendimento já tinha como cultura praticar a sustentabilidade. “Os processos para a operação do edifício já vinham com a base na gestão adequada dos recursos disponíveis, o que nos trouxe grande ajuda na hora de implementar as exigências para a certificação”, detalha.

“O hospital Santa Paula apresentou diversos indicadores de desempenho, como, por exemplo, os processos com foco em operar os edifícios de forma sustentável, sistemas de automação e monitoramento e implantação de tecnologia led para iluminação de todo o complexo”, ressalta Brambilla.

Direcionando para outro setor, a palestra ministrada pela engenheira Clarice Degani apresentou os principais aspectos de sustentabilidade em meios de hospedagem, desde a concepção dos projetos e obra até a operação hoteleira. “Abordei também as certificações AQUA e a norma NBR 15.401, essa última exclusiva para sustentabilidade em meios de hospedagem”, conta.

Para ilustrar o assunto, Clarice exibiu como case o hotel Gran Executive, em Uberlândia, Minas Gerais. “Sua estratégia para o perfil de desempenho ambiental foi privilegiar as boas práticas comprovadamente eficientes no contexto das edificações de hospedagem executiva, tanto em termos de despesas operacionais e de manutenção quanto de conforto aos hóspedes”, revela a engenheira.

Entre os desempenhos para operação, o projeto destaca-se pelos acessos e fluxos eficientes, gestão de resíduos otimizada, estímulo ao uso de meios de transporte limpos, qualidade sanitária para as rotinas de conservação e limpeza e flexibilidade de usos.

Já no desempenho de eficiência energética e uso racional de água, o hotel apresenta uso de energia renovável, uso de dispositivos economizadores de água, setorização da medição de consumo e sistema de irrigação automatizado. Além disso, outro fator determinante para a sustentabilidade do projeto foi que 95% dos resíduos gerados no canteiro de obras foram encaminhados para reciclagem.

Publicada originalmente em ARCOweb em 11 de Abril de 2017
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora