Casa em destaque: Leonardo Ciotta Arquitetura, Estrela, RS

No alto, a família, embaixo, o veículo

Branco, o retângulo superior acomoda o programa residencial. A garagem em concreto aparente acolhe veículo com mais de dez metros e suporta parte do peso da casa

Fica em Estrela, RS, cidade de cerca de 30 mil habitantes na região do Vale do Taquari, essa residência projetada pelo escritório Leonardo Ciotta Arquitetura. Titular do escritório que leva seu nome (e que tem unidades em Estrela e Caxias do Sul) o arquiteto Leonardo Ciotta conta que a casa é ocupada por ele e sua família sobretudo nos finais de semana. O programa, ele observa, não seria incomum não fosse por um detalhe: a edificação deveria também amparar um motorhome, veículo de 11,5 metros de cumprimento, que serve aos Ciotta em suas viagens de lazer e férias.

A casa foi implantada em um terreno de esquina com quase 500 metros quadrados de área e com declividade de 4,5 metros, localizado no bairro Alto da Bronze. O projeto, relata o arquiteto, partiu do pressuposto de que a garagem/abrigo do veículo não poderia interferir no funcionamento da residência e tampouco a volumetria desta deveria disputar atenção com a arquitetura da casa. A solução a qual o escritório chegou é visualmente caracterizada por duas volumetrias distintas que, no entanto, interagem e, de certa forma, se complementam.

Inserida na cota inferior do lote, a garagem parece mimetizada no terreno, enquanto, na parte mais alta, a constituição da casa destaca-se na forma de um retângulo branco, que é apoiado parte na própria garagem e parte em delgados pilares cilíndricos, deixando a impressão de estar flutuando. Igualmente retangular, o volume da garagem em concreto aparente – que também desempenha a função de muro de contenção - foi posicionado no sentido transversal às menores laterais do terreno, para facilitar o acesso/saída do veículo.

Ciotta explica que o volume branco (da casa) tangencia o limite do terreno com a rua e, internamente, abre-se para o pátio gramado, que é sombreado nos meses de verão. “Dessa forma, misturam-se na área social as funções internas e externas dependendo das condições climáticas” observa o autor. Para demarcar a entrada principal (posicionada na parte mais alta do terreno), o arquiteto manteve junto à calçada uma centenária pitangueira. A árvore tem em segundo plano o muro de tijolos aparentes - estes foram adquiridos em uma moradia próxima demolida.

“Os tijolos [da casa demolida] eram assentados com barro, o que facilitou a remoção desse material para seu reaproveitamento”, informa Ciotta, especulando que pitangueira e tijolos possam talvez terem quase a mesma idade.

O fato de o projeto ter aberto mão de muros na sua face mais longa permitiu ocupar a fração do terreno com uma área ajardinada, espaço que cria uma espécie de diálogo com a vizinhança. Na fachada mais extensa do retângulo, aberturas rasgadas no alto asseguram a ventilação cruzada - a região apresenta grande amplitude térmica durante o ano, observa o autor - e, ao mesmo tempo, preservam a privacidade da família.

Na parede voltada para o pátio interno, a cobertura permite a circulação externa independente. No seu prolongamento foi acomodado um assador que é utilizado nos dias festivos. A parede é revestida com pedra (ardósia mineira ferrugem) que, a medida que vai oxidando cria sutilezas na paginação, assegurando que a passagem do tempo seja assimilada pela construção. O pátio descoberto tem piso de ladrilho hidráulico numa composição cromática que remete a uma labareda. “Começa no escuro do carvão, sobe para o amarelo e chega ao vermelho, como uma chama”, compara Ciotta.

Do jardim interno (ao qual, da casa, se tem acesso pela escada posicionada no limite de fundos do terreno) pode-se chegar à garagem, onde são resolvidas as funções técnicas da casa, pequenas manutenções e oficina. Outra particularidade da residência é sua cobertura com telhado verde. De acordo com Ciotta, a cobertura vegetal (com um substrato leve e plantas suculentas) contribui para amenizar a temperatura nos meses de verão, além de filtrar a água captada que serve para algumas das operações prediais.



Ficha Técnica

Casa Rieger
Local Estrela, RS
Data do início projeto 2009
Data da conclusão da obra 2013
Área do terreno 495m²
Área construída 230m²

Arquitetura, interiores, paisagismo, luminotécnica Leonardo Ciotta e Stela Rieger
Estrutura e fundaçções Celso Peccin
Elétrica Edgar Campanher
Hidráulica Leonardo Ciotta Arquitetura
Construção Leonardo Ciotta Arquitetura
Fotos Cristiano Bauce

 

Fornecedores

Ecotelhado (cobertura)
Compasul (concreto)
Sunset (persianas)
Tocchi Móveis (cozinha e mobiliário)
ALP Gersso Gypsum (forros)
Runtzel Alcoa (esquadrias)
Marcon Iluminação (luminárias)
Unipedras (pedras)
Casa Serra e Ecodesign (revestimentos)
Esquadrias Centenário (portas)
Toque Especial (jardins)

Publicada originalmente em ARCOweb em 24 de Abril de 2017
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora