Baggio & Schiavon Arquitetos: AR 3000, Curitiba

Volumes identificam funções do edifício

A proposta de criação de uma torre com lajes moduláveis, que permitissem a instalação de pequenas salas comerciais ou grandes áreas corporativas, resultou na concepção de dois volumes, quatro composições de fachadas - marcadas por linhas horizontais ou verticais -, e pisos sem interferências de pilares ou vigas

Localizado no bairro do Cabral, em Curitiba, o edifício AR 3000 tem a proposta de se manter como um organismo vivo, alimentado por águas das chuvas e construído com materiais que permitem qualidade e conforto térmico. Os vidros de alto desempenho das fachadas permitem eficiência energética, combinados com brises que garantem o sombreamento. Na cobertura da área de convenções e da torre há uma área de cerca de 1.010 metros quadrados de telhados verdes, que ajuda a reduzir o volume de água de chuva que vai para as galerias e os efeitos das ilhas de calor. O projeto adotou técnicas de reciclagem e tratamento de resíduos de construção. Com esses e outros requisitos atendidos, o edifício recebeu a Certificação Leed Platinum.

Desenvolvido pelo escritório Baggio & Schiavon Arquitetos o projeto atendeu à necessidade do incorporador, o Grupo Andrade Ribeiro, de construção de um edifício com flexibilidade para abrigar tanto pequenas salas comerciais, como lajes corporativas. “A determinação dos volumes se deu em função da necessidade de se ter dois produtos, lajes corporativas na parte baixa e salas comerciais na parte alta, gerando um movimento bem vindo para a resolução da envoltória” explica o arquiteto urbanista Gianmarco Haddad, autor do projeto pelo escritório. Além dos volumes, a torre ganhou quatro composições de fachadas. A face frontal tem brises verticais na parte baixa e horizontais na parte alta, enquanto a posterior tem apenas brises verticais. Já as fachadas laterais, além dos brises recebeu venezianas metálicas para solução dos equipamentos de ar condicionado.

A orientação do edifício é outra solução de projeto que, aliada às soluções arquitetônicas da envoltória e materiais utilizados, fornece conforto termoacústico, segundo Bruno Martinez, diretor técnico da Petinelli - empresa especializada em construções sustentáveis e certificadora Green Building, responsável pelo desenvolvimento do estudo de conforto térmico e eficiência energética. O edifício está orientado a 45º com relação ao norte. Neste sentido os brises verticais, combinados com os horizontais, nas fachadas nordeste e noroeste, são fundamentais para o conforto térmico.

Nas fachadas dos andares corporativos, os brises horizontais estão a um metro de distância entre si, resultando em três prateleiras por andar, sendo uma delas a extensão das lajes. Nas alturas intermediárias entre as lajes (no vão luz) essas abas são produzidas com uma estrutura auxiliar de perfis de alumínio, fixada diretamente nas esquadrias. Em ambas as situações - laje e estrutura metálica - as abas foram revestidas com painéis de alumínio composto na cor branca. Nos andares de escritórios há uma composição entre brises verticais, revestidos com painéis de alumínio branco, e horizontais, com o mesmo material na cor preta, dispostos a cada 3,20 metros, correspondente a altura do pé direito dos andares. 

Segundo o engenheiro Maurício Wildner da Cunha, da construtora Andrade Ribeiro, “a particularidade desta obra é a utilização do sistema unitizado Offset entre lajes. Esta situação demandou atenção especial da Belmetal, desenvolvedora de três perfis especiais que possibilitaram a instalação dos painéis fixos e maxim- ar com juntas horizontais e verticais de 10 milímetros.

As fachadas do edifício possuem mais painéis móveis do que fixos pois, segundo Guido Petinelli, um dos diretores da Petinelli, o curitibano ainda espera abrir a janela durante boa parte do ano. “Quando avaliamos conforto térmico em Curitiba, precisamos considerar tanto as condições de verão quanto as de inverno. O maior benefício de utilizar um vidro de alto desempenho foi estender o período em que o ocupante utiliza ventilação natural com conforto”, diz ele.

A caixilharia é composta por vidros insulados de 26 milímetros - sendo o externo 6 milímetros sólido Low-e KNT azul semi-temperado + câmara de argônio de 12 milímetros + interno laminado de 8 milímetros incolor - colados com silicone structural glazing bi-componente em perfis de alumínio com acabamento eletrostático na cor preta.

TIPOLOGIA
O terreno de 2.965,68 metros quadrados tem frente para o noroeste - ponto mais alto do bairro - com vistas para a serra do mar e com desnível de aproximadamente três metros com relação aos fundos. “A ideia é poder descortinar toda a cidade e a serra do mar. Embora o edifício seja comercial, é importante para a qualidade de vida ter momentos de descontração”, diz Gianmarco Haddad. A área construída de 33.348,20 metros quadrados é distribuída em quatro pisos de subsolo, térreo, mezanino, 21 pavimentos com áreas de 787,93 metros quadrados a 862,39 metros quadrados e um piso de cobertura.

O térreo abriga um imponente lobby, com pé direito triplo de oito metros e lojas comerciais. “Essa tipologia de lojas no térreo e galeria em todo o perímetro das ruas faz parte de incentivo do zoneamento. Trata- se de uma obrigatoriedade manter as galerias, que são padronizadas e têm o objetivo de manter » a linearidade nas ruas. Como a torre estava recuada dos demais prédios, em função da praça, a solução foi adotar marquises flutuantes”, detalha Haddad.

Segundo o arquiteto, o projeto é inédito por sua integração com o zoneamento onde está inserido, que determina regras e padronizações para a formatação do embasamento. A prefeitura exige, por exemplo, que as galerias localizadas no perímetro do embasamento tenham pilares quadrados de 50 x 50 centímetros, instalados nas suas pontas. Além de possuir flexibilidade de planta, a obra sai do convencional em relação ao seu embasamento a partir da adoção de marquises em balanços fazendo o papel da cobertura das galerias.

“Devido à altura do pé direito, foi necessário adotar uma viga intermediária de aço para auxiliar na absorção dos esforços. O fechamento do lobby, executado com o sistema de fachada stick, recebeu vidros laminados de 10 milímetros - sendo um chapa KNT Low-e azul de seis milímetros + uma incolor de quatro milímetros - encaixados com gaxetas de EPDM em perfis de alumínio da linha Fachada Atlanta da Belmetal”, explica Maurício Wildner da Cunha, engenheiro civil da construtora Andrade Ribeiro, responsável pela execução da obra.

TORRE CERTIFICADA

Sob consultoria da Petinelli, o edifício AR 3000 recebeu selo Leed Platinum - a maior classificação existente para o selo verde - tornando-se referência em construção sustentável. A protagonista desta conquista é a fachada envidraçada. Com apoio técnico da Cebrace, a Petinelli realizou estudos de simulação termoenergética para otimizar o desempenho do edifício. Nesses estudos foram simuladas várias alternativas construtivas da fachada, optando-se por um sistema de fachada unitizada com vidros de alta perfomance e brises.

De acordo com Bruno Martinez, “a escolha do vidro é fundamental. Assim, como a temperatura do ar, o bloqueio da radiação solar é um dos fatores mais importantes para garantir conforto térmico dos ocupantes do edifício. Por mais eficiente e bem projetado que o sistema de ar-condicionado possa ser, este não garante o conforto se a pele de vidro for mal projetada”.

Para o fechamento dos cerca de 7.808,00 metros quadrados de área de fachada, o vidro escolhido é o de proteção solar Cool Lite KNT insulado de 26 milímetros. “Tal escolha colaborou para o resultado final de uma economia de 38% no consumo de energia. “Num comparativo com um prédio padrão da região sul do Brasil, a necessidade de ar-condicionado gira em torno de uma máquina de 12.000BTU/hora para » cada 20 m2/TR. No AR3000, devido ao desempenho da fachada, a necessidade será uma máquina para cada 38 m2/TR”, explica Martinez. “Isso significa”, diz ele, “que uma sala comercial no edifício necessita da metade da capacidade do ar condicionado de um prédio convencional. A redução no consumo de ar-condicionado chegou a 26,3%. Essa porcentagem representa uma economia total de R$671 mil por ano na conta de energia do empreendimento. Para o cliente, seria uma redução de R$3 mil na conta de energia anual.”

Esse resultado foi alcançado porque os vidros de proteção solar utilizados permitem a entrada de luz no ambiente, ao mesmo tempo bloqueando 76% do calor e quase 100% dos raios UV. Com mais luz e menos calor, o aproveitamento da luminosidade natural é maior assim como o conforto. Com a versão insulada do vidro foi possível obter melhor desempenho termoacústico. “No AR3000, a câmara entre as lâminas de vidro foi preenchida com gás argônio. Este elemento otimiza ainda mais o desempenho » do produto por ter baixa condutividade térmica, potencializando o bloqueio do calor, e resultando em maior eficiência energética”, afirma Martinez.

“Os trabalhos de certificação foram iniciados em 2009, mesmo quando o mercado via como inviável a certificação de edifícios de escritórios. À época era comum a certificação apenas em torres corporativas. A Andrade Ribeiro assumiu o desafio de certificar o edifício como comercial e corporativo e tornou-se uma das primeiras construtoras de Curitiba a adotar o LEED como padrão de desempenho e sustentabilidade. No primeiro ano o edifício recebeu a pré-certificação nível prata. Logo o objetivo passou para certificação Ouro. Por fim, devido ao cuidado, padrão de qualidade da construtora e o trabalho de toda a equipe de projeto e obra, o edifício recebeu o Platinum, o mais alto nível de certificação”, lembra Martinez.



Ficha Técnica

AR 3000
Cliente Andrade Ribeiro
Local Curitiba, PR
Área do terreno 2.965,68 m2
Área construída 33.348,20 m2
Projeto setembro de 2009 (início dos estudos)
Conclusão da obra setembro de 2015

Arquitetura Baggio & Schiavon Arquitetos, Manuel Marcos Baggio Pereira, Gianmarco Haddad, Filipe Boni, Maicon Hamm
Construção Andrade Ribeiro
Fachadas Petinelli (consultoria)
Certificação Leed Petinelli
Estrutura metálica Andrade Rezende (projeto, fabricação e montagem)
Estrutura de concreto Procalc
Acústica Confortus, engenheiro Marco Aurélio

Fornecedores

Vidros Cebrace | GlassecViracon
Perfis de alumínio e painéis de alumínio composto Belmetal
Silicone Dow Corning

Texto de Gilmara Gelinski| Publicada originalmente em Finestra na Edição 102
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora