Prêmio AsBEA 2008: Premiados

Arquitetura preocupa-se com o meio ambiente

GCP Arquitetos
Fábrica de tratores John Deere
Categoria edifícios industriais

O projeto da fábrica de tratores John Deere, na cidade gaúcha de Montenegro, a cerca de 50 quilômetros de Porto Alegre, assegurou o prêmio ao escritório paulistano GCP Arquitetos, que possui significativa experiência nesse tipo de programa. A unidade fabril ocupa aproximadamente a metade de uma gleba de 96 hectares ambientalmente degradados. A segunda porção da área é alvo de um processo de reflorestamento, que prevê o plantio de 54 mil mudas de espécies nativas.

A cidade de Montenegro, vizinha do Pólo Petroquímico de Triunfo, apresenta grande área que já teve uso industrial e agora retoma sua vocação, com novas fábricas atraídas pelo programa de incentivos fiscais do governo gaúcho e pela proximidade com outros países do Mercosul. Essas condições despertaram o interesse da empresa norte-americana John Deere, que fabrica colheitadeiras, plantadeiras e outros equipamentos de uso agrícola.

Sediada no município de Horizontina, também no Rio Grande do Sul, ela precisava ampliar sua linha de produção e decidiu instalar uma unidade específica para a fabricação de tratores, relata Sérgio Coelho (FAU/USP, 1986), titular de GCP Arquitetos e autor do projeto. Segundo Coelho, o cliente tem preocupação com a preservação do meio ambiente e valoriza soluções de projeto ecologicamente corretas. “Não é uma obra certificada, mas é um bom trabalho ambiental, de qualidade sustentável, que segue as orientações do Leed”, ele destaca.

A gleba situa-se de frente para uma estrada. Logo, a porção frontal seria a primeira opção para implantar a indústria. A existência de córregos e mata ciliar, porém, fez prevalecer a alternativa de construir na parte posterior, cujo declive é menos acentuado. Assim, a outra área foi destinada ao projeto de reflorestamento. Como o local é desprovido de redes de esgoto e águas pluviais, foi necessário criar infra-estrutura própria.

Dois lagos de retenção foram abertos para compensar a grande superfície impermeabilizada na construção da planta. Uma estação de tratamento de esgoto sanitário fornece água para irrigação da área de replantio. Outra unidade, específica para tratamento de esgoto industrial, permite o reúso da água no processo de produção.

Na primeira fase de obras foi construído o conjunto formado pelo prédio da administração, com pavimento único e de frente para a estrada principal, e pelo galpão de 100 x 300 metros, que ocupa o eixo norte-sul da gleba. “O melhor posicionamento seria deixar os fundos da fábrica voltados para a rodovia, mas essa solução não foi aprovada”, detalha Coelho.

Com estações do ano bem definidas, o Sul apresenta médias de temperatura elevadas no verão, o que implicou o uso de recursos como espelho d’água, paredões frontais, brises e beirais para amenizar o calor no refeitório e no setor administrativo. Nas laterais, a proteção é dada por marquises de 18 metros de comprimento, capazes de cobrir totalmente os caminhões que encostam para carga e descarga.

Internamente, o galpão segue o layout da linha de montagem da John Deere e reserva área fechada para a pintura dos tratores. O ambiente fabril é pressurizado - para evitar a entrada de poeira - e dispensa sistema de ar condicionado no verão. Em seu lugar, funciona a ventilação mecânica, que insufla ar frio no ambiente e promove a exustão do ar quente por meio do lanternim que corta toda a extensão do edifício e leva luz natural ao interior.

A próxima etapa da obra é a construção de um clube para funcionários, que se situará próximo da área de reflorestamento. Além disso, a unidade conta com plano diretor que prevê ampliações ao longo dos próximos 20 anos.


Sérgio Coelho



Ficha Técnica

Fábrica de tratores John Deere
Local Montenegro, RS
Data do início do projeto 2004
Data da conclusão da obra 2007
Área do terreno 960.000 m2
Área construída 69.800 m2
Arquitetura GCP Arquitetos - Sérgio Coelho (autor); Alessandra Araújo (coordenação geral e sustentabilidade); Adriana Oliveira (coordenação); Maurício Reverendo, Daniel Mariano, Thaís Ramaglia, Daniela Vaz, Dante Honda, Izabella Queiroz, Stella Tomiyoshi, Agnaldo Amaral e Renata Bernardino (equipe)
Interiores GCP Arquitetos
Paisagismo Koiti Mori
Conforto ambiental Anésia Frota
Estrutura metálica Medabil
Fundações Interact
Instalações e ar condicionado Projetar
Construção Hochtief do Brasil
Fotos GCP Arquitetos

Fornecedores

Hunter Douglas (brises)
Lees (carpetes)
Firestone (cobertura)
Uniflex (cortinas e persianas)
Neocom (divisórias sanitárias)
EGK (esquadrias)
Perfilor (telhas)
AMF (forros)
Philips, Osram (lâmpadas)
Philips, Itaim, Lumini (luminárias)
Teperman (mobiliário)
Forbo (pisos vinílicos)
Portobello, Elisabeth (revestimentos cerâmicos)
EGK, Dorma (portas)
Renner (tintas)
Isolev (ar-condicionado, ventilação)
Deca, Docol, Icasa (louças e metais sanitários)
Imab, Dorma (ferragens)
Temon (instalações)

Texto de Redação| Publicada originalmente em Projeto Design na Edição 346
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora