PERFIL: Ruy Ohtake

Um parque urbano

Em março de 2014, a Prefeitura de Mogi das Cruzes, no estado de São Paulo, obteve a posse de um terreno em desuso, no centro da cidade, onde funcionou até 2005 um clube privado. A ação judicial que culminou com a transferência da propriedade para a municipalidade se inscreveu no âmbito de um programa local de monitoramento de áreas ociosas e em estado de abandono, com o intuito de torná-las de utilidade pública.

No final daquele ano, o arquiteto Ruy Ohtake foi contratado pela prefeitura para desenvolver para o lote o projeto de um parque público urbano. Denominado Parque da Cidade, o equipamento urbano concebido por Ohtake foi inaugurado no final de 2016 e é destinado à prática esportiva, à atividades culturais, de lazer e contemplativas.

Ele totaliza 55 mil metros quadrados de área, sendo que uma zona contígua, de 40 mil metros quadrados, poderá ser futuramente incorporada ao empreendimento quando estiver livre de disputas judiciais.

Mogi das Cruzes é o mais populoso dos municípios integrantes da região denominada Alto Tietê, área geográfica localizada no entorno da nascente do rio Tietê. No início do século 20 foi grande o aporte de imigrantes japoneses na cidade que, atualmente, tem como atividades principais a produção de hortifrutigranjeiros e de flores.

A projeção do Instituo Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), traçada a partir de censo populacional realizado em 2010, era de que houvesse 440 mil habitantes no local em 2018.

Uma das novidades do projeto do arquiteto paulistano em relação aos parques públicos existentes na cidade é a sua localização central - em bairro densamente habitado, o Alto do Ipiranga -, sendo que os demais parques se concentram nas margens do rio.

Nesse sentido, é primordial a diversidade de usos no projeto de Ohtake, tanto no que diz respeito às atividades oferecidas quanto às faixas etárias a que elas se dirigem. Predomina a horizontalidade das intervenções, agrupadas em três núcleos principais circundados por pista de caminhada (quetotaliza 1.200 metros de extensão) em todo perímetro e eixo longitudinal do parque.

No primeiro núcleo, junto à entrada e em trecho do terreno em forma de promontório, alinham-se o espelho d’água, o pavilhão compartilhado pelo playground e pela academia para a terceira idade, o pavilhão das flores e o multiúso (para atividades como tênis de mesa, xadrez e judô), este último adaptado de uma edificação existente.

Destaca-se na paisagem rarefeita a verticalidade da dupla de arcos de palmeiras que contornam o espelho d’água, vizinho ao portal metálico de acesso que, por sua vez, é caracterizado pelo desenho em zigue-zague.

Os demais núcleos funcionais abrigam as quadras esportivas (dois campos de futebol society, duas quadras de tênis, quadra poliesportiva, duas quadras de vôlei de areia, três quadras de basquete) e churrasqueiras (seis no total), no fundo da implantação - onde a intervenção de Ohtake se concentrou em conferir unidade visual entre o novo e o existente -, e o trecho mais densamente arborizado, no lado esquerdo do terreno: um bosque com espécies nativas da região do Alto Tietê, cercado por bancos.

Entre este e o espelho d’água há um teatro de arena acomodado na topografia. Em suma, a essência do projeto é a busca pela delimitação sutil dos espaços, seja através das relações entre as alturas de coberturas - vazadas e, em certas partes, pergoladas - e as das meias-paredes que organizam os usos, seja através das semi-transparências resultantes da paginação dos blocos cerâmicos que vedam parcialmente os pavilhões. E isso, considerando a percepção do usuário, seja ele adulto ou criança, para quem Ohtake concentrou esforços em criar uma arquitetura lúdica.



Ficha Técnica

PARQUE DA CIDADE

Local Mogi das Cruzes (SP)
Início do projeto 2014
Conclusão da obra 2016
Área do terreno 55.335 m2

Arquitetura Ruy Ohtake (autor); Carlos Roberto Azevedo, Rodrigo Ohtake e Rodrigo Peregrina (equipe); Rafael Otsuka (imagens eletrônicas); Debora Shimabukuro, Paula Manzone e Adriano Batista dos Santos (desenhos)
Fundação, concreto, elétrica, hidráulica e combate a incêndio Thólos Engenharia
Metálica Holding Engenharia e Construções
Paisagismo Pedro Miwa
Construção Demax Serviços e Comércio
Contratante Prefeitura de Mogi das Cruzes
Fotos Daniel Ducci 

Fornecedores

Holding Engenharia e Construções (estrutura metálica);
Roger Bel Park (playground);
Artefontes Fontes Ornamentais (espelho d’água);
Lina Materiais Elétricos (luminárias);
Power Sports For Performance (quadras e pisos poliesportivos);
Presto (piso intertravado);
Brasilos
(reservatório);
BM Play (pisos emborrachados);
Skill (totens);
Glass Cielo (grama sintética)

 

Texto de Evelise Grunow| Publicada originalmente em Projeto Design na Edição 447
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora