Seminário AsBEA debate tecnologia e modelagem, durante a Feicon 2014

Ciclo de palestras reuniu arquitetos do Brasil e exterior, e mostrou a diversidade de opções que o uso de softwares e hardwares trazem aos profissionais projetistas

Parte do programa de conferências paralelas do 20º Salão Internacional da Construção (Feicon Batimat), e realizado pela Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura (AsBEA), o seminário "Arquitetura e Tecnologia: BIM, Inovação e Gestão", teve como temas principais o uso da tecnologia para criação de modelos e a arquitetura paramétrica.

Com a presença de expoentes da arquitetura nacional e internacional, o seminário que aconteceu dia 20 de março cumpriu a missão de mostrar a diversidade de opções que o uso de softwares e hardwares trazem aos profissionais projetistas, desde o partido e conceito dos projetos até a realização e produção de peças e elementos que os compoem.

Arquitetura paramétrica foi o mote da apresentação "O Cubo D'Água: Centro Aquático Nacional de Pequim". Realizado para as Olimpíadas 2008, o projeto foi apresentado por seu idealizador, Mr. John Bilmon, CEO do escritório PTW Architects. O envelope da obra simula bolhas de água, que envolvem todas as fachadas e cobertura, e foi integralmente calculado via software.

Franklin Lee, do SUBdv, mostrou como o uso de modelagem 3D pode interferir positivamente nos custos e racionalização dos projetos. Sob o mesmo tema, a arquiteta Silvia Celani apresentou os trabalhos do Laboratório de Automação e Prototipagem para Arquitetura e Construção (Lapac).

O assunto BIM, por consequência, teve grande destaque em todo o programa. Defensores do uso deste sistema integrado de softwares de controle e projeto, os palestrantes contaram sobre as suas experiências ao implantá-lo em seus escritórios e dia-a-dia.

Responsável pela implantação do sistema em grandes escritórios pelo país e responsável pela capacitação de profissionais em Revit, o arquiteto Murillo Morale, do icubY, discorreu sobre o assunto logo após o presidente da AsBEA, Eduardo Nardelli, abrir os trabalhos.

Como contraponto, o arquiteto Mario Biselli, do escritório Biselli + Katchborian, defendeu o uso de softwares 3D e 2D, mas sem deixar de lado o desenho livre e a concepção inicial dos projetos "à moda antiga". Biselli declarou, ainda, que não há a necessidade dos escritórios se adaptarem ao BIM, mas sim de utilizarem separadamente os softwares e hardwares disponíveis, de acordo com a necessidade de cada projeto.

A arquiteta inglesa Kathryn Firth, chefe de design do London Legacy Development Corporation, órgão que cuidou do planejamento urbano e legado durante o projeto e realização das Olimpíadas de Londres, mostrou como o planejamento urbano ligado a um grande evento pode trazer benefícios à comunidade.

Completaram o programa o engenheiro civil Rubens Almeida, diretor presidente da consultoria Gibsi, e a assessora especial da presidência do CAU/BR, Mirna Cortopassi.

Publicada originalmente em ARCOweb em 20 de Março de 2014
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora