IBGE publica mapas atualizados de áreas urbanas do Brasil

O estudo recente constatou a consolidação do processo de urbanização no país e observou as modificações dos tecidos urbanos das cidades ao longo dos anos


Foto: reprodução / IBGE

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) disponibilizou gratuitamente o mapeamento de 120 manchas urbanas de cidades brasileiras no estudo intitulado "Áreas Urbanizadas do Brasil". Trata-se de uma continuação de projeto realizado pelo instituto em 2005, porém, agora, abrange as mudanças ocorridas no período entre 2011 e 2015.

Além disso, o estudo divulgado no último dia 20 de junho também passou a se alinhar com as necessidades dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, ambos estabelecidos pela Cúpula das Nações Unidas realizada em 2015, assim como da Nova Agenda Urbana, pactuada na III Conferência das Nações Unidas sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável - Habitat III, ocorrida em 2016.

Nesta etapa, o estudo passou a englobar as concentrações urbanas com população entre 100 e 300 mil habitantes, distribuídas em 22 unidades do território brasileiro, totalizando uma área de 4.885,17 quilômetros quadrados. Observou-se a predominância de áreas de ocupação contínua - com pouco espaçamento entre as construções -, o que revelou o crescente processo de urbanização no país ao longo desses últimos anos.

Outra novidade em relação à divulgação anterior é a inclusão de áreas por municípios: “Uma concentração urbana pode ter só um município, como é o caso de Uberlândia, no estado de Minas Gerias, mas também pode ser um conjunto de municípios, como é o caso do Rio de Janeiro”, disse Maurício Gonçalves e Silva, geógrafo do IBGE, em texto divulgado pelo instituto. 

Segundo as novas estatísticas, 84% das manchas urbanas do país já são classificadas como densas: “Podemos pensar em áreas densas como aquelas com uma casa ao lado da outra: com quintal, padrão de arruamento, ou até áreas com prédios”, diz Maurício. Ainda de acordo com ele, os outros 16% abrangem áreas com construções mais espaçadas e muitos terrenos vazios.

A equipe técnica afirma que os mapeamentos só foram possíveis graças às imagens de satélite RapidEye e que o objetivo do estudo é "fornecer uma perspectiva da urbanização brasileira, de modo a complementar estudos acerca da forma urbana e de suas diferenciações regionais; da influência do meio físico (topografia, rios etc.) na conformação das áreas urbanizadas; bem como de estudos focados na identificação de tendências e potenciais vetores de expansão das cidades", informa na divulgação feita pelo IBGE.

O estudo "Áreas Urbanizadas do Brasil" está disponível para download gratuito no site do IBGE.

Publicada originalmente em ARCOweb em 06 de Julho de 2018
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora