7 notícias para refletir sobre atuação da mulher na arquitetura

Neste Dia Internacional da Mulher, reunimos 7 notícias que mostram o avanço da participação das mulheres na arquitetura, mas que também fazem refletir sobre a luta por mais espaço e direitos

Neste Dia Internacional da Mulher, ressaltamos a importância da luta das mulheres por um mercado de trabalho mais justo e igualitário em todos os setores. No mercado de Arquitetura e Urbanismo, segundo o CAU/BR, as mulheres são maioria. São mais de 97.093 arquitetas e urbanistas trabalhando hoje em todo o território nacional – 62,6% do total de profissionais.

O CAU/BR ressaltou ainda que em alguns estados mais de 70% dos profissionais de Arquitetura e Urbanismo são mulheres. E a tendência é que essa predominância só aumente: nas faixas mais jovens, com até 30 anos, elas já são 73% do total de profissionais ativos. Na faixa mais numerosa, entre 30 e 40 anos, representam 65% da categoria. Elas só são minoria entre aqueles com mais de 60 anos. A idade média das profissionais é de 38 anos.

As principais atividades realizadas são as de Projeto (55% do total), seguidas de Execução de Obras (32%) e Atividades Especiais (9%), que são serviços de laudo, vistoria, perícia, avaliação, consultoria, assessoria técnica etc.

Selecionamos 7 notícias publicadas no portal ARCOweb e PROJETO que relatam como a presença da mulher está avançando no mercado de Arquitetura e Urbanismo, mas também dificuldades e desafios que ainda são enfrentados.

Confira:

1. Zaha Hadid é a primeira mulher a receber o Riba Royal Gold Medal

2. Atec cultural promoveu debate para a reflexão sobre gênero e espaço, abordando a interseccionalidade e o lugar da mulher no contexto do subúrbio dos Estados Unidos durante a Guerra Fria (auge do “american way of life”).

3. Marianne Peretti, autora dos vitrais da catedral de Brasília e única mulher a integrar a equipe de Oscar Niemeyer para a construção da capital federal, participando da Catedral de Brasília, do Palácio do Jaburu, Superior Tribunal Federal, Memorial JK, entre outros.

4. O debate “Mulheres na Arquitetura – Empoderamento e posicionamento em uma das profissões mais femininas do país", promovido pela revista PROJETO e pela Portobello Shop - Vila Olímpia.

5. Zaha Hadid criticou algo que considera indesejável: a atitude “misógina” da Grã-Bretanha com relação ao trabalho das mulheres arquitetas.

6. Miriam Addor, a primeira mulher presidente nacional da AsBEA
(Foto: Reprodução AsBEA)

7. Lina Bo Bardi gostava de ter sua profissão tratada no masculino, queria ser chamada de arquiteto. O antigo censo do CAU/BR exibe um panorama sobre a supremacia das mulheres no exercício da arquitetura.

Publicada originalmente em ARCOweb em 07 de Março de 2018
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora