Hype Studio: Casa Jardim do Sol, Porto Alegre

Pátio coberto com grelha conecta casa e salão de festas

No bloco frontal estão as funções cotidianas e, no pavilhão ao fundo, fica o salão de festas dessa moradia projetada pelo Hype Studio e construída em um condomínio da zona sul de Porto Alegre

Passadas quase quatro décadas de sua implantação, o Condomínio Jardim do Sol, que fica no Cavalhada, bairro da zona sul de Porto Alegre, e é um dos primeiros empreendimentos do gênero naquela cidade, está consolidado – há quase 20 anos, esgotaram-se os terrenos para novas construções. Atualmente, para morar no condomínio, só comprando ou alugando residências existentes. Novas construções só são possíveis com demolições das já presentes. Foi nessas circunstâncias que o escritório Hype Studio desenvolveu seu primeiro projeto no local onde as casas são de alto padrão, porém suas arquiteturas pouco ou nada significativas.

A conclusão, ano passado, da residência Jardim do Sol – denominação dada pelo estúdio ao projeto – mostra-se como exceção nesse quase insípido panorama arquitetônico. A sua arquitetura de linhas puras, simples e contemporâneas – e que bebe na fonte da moderna arquitetura brasileira em sua vertente residencial – sobressai pela elegância de suas formas, realçadas ainda mais pelo contraste com a vizinhança. Implantada em um terreno de quase 1,7 mil metros quadrados, tomou o lugar de uma antiga moradia que se encontrava em avançado estado de deterioração, depois que os bens do proprietário anterior tornaram-se objeto de liquidação judicial.

Cerca de duas semanas após conhecer os arquitetos do Hype (eles foram apresentados por um incorporador para quem o estúdio desenvolvia o projeto de um edifício, em terreno desse empresário), o (então futuro) cliente os comunicou que fechara negócio com o imóvel do Jardim do Sol e pretendia que fossem eles a desenvolver o projeto de sua nova casa. Nesse momento, ele já decidira pela demolição da casa existente. Entre as informações que ele passou à equipe do Hype estava a necessidade de que a nova residência contasse com número expressivo de vagas para veículos – o empresário é colecionador de automóveis antigos.

Localizada em uma região de morro, sua casa anterior, também em Porto Alegre, era cheia de desníveis. “Não quero mais passar o dia subindo escadas”, observou o cliente ao arquiteto Fernando Balvedi, orientando que, ao menos, as áreas sociais e o salão de festas deveriam estar na mesma cota. Ao visitarem o terreno e constatarem a natureza da arquitetura das casas vizinhas, a equipe do Hype observou ao cliente que este não deveria esperar que o escritório seguisse o padrão estabelecido no condomínio. Balvedi recorda de, nesse momento, o cliente ter afirmado: "É por isso mesmo que estou chamando vocês".

A família do empresário que contratou o projeto é pequena – casal com dois filhos – e tem entre seus costumes receber, com bastante frequência, amigos e conhecidos para reuniões e festas (aspecto que o projeto também deveria contemplar). Para atender ao programa de necessidades, o escritório optou por distribuir as funções em dois blocos: no frontal, mais alto, foram reunidas as funções mais cotidianas da residência; no segundo, ao fundo, a construção na forma de um pequeno pavilhão destina-se ao salão festas. Com essa solução, o funcionamento do salão não interfere no dia a dia da casa. A conexão entre blocos se dá por um pátio semicoberto por grelha metálica.

Abaixo desses dois blocos, o subsolo – uma caixa de concreto com laje nervurada – é único e comporta até 40 veículos, além de instalações técnicas. Não se trata de uma grande garagem, mas do micromuseu que abriga a coleção de automóveis antigos. No meio dessa laje, existe um espelho d'água cujo fundo de vidro leva a luz natural ao subsolo, permitindo a quem está no pátio enxergar os carros no piso inferior.

Na distribuição do programa, o térreo do bloco frontal acomodou as funções sociais - parte delas delimitadas por grandes portas deslizantes. Com essa solução, cozinha e home theater podem, por exemplo, ser completamente abertos ou fechados. No segundo pavimento ficam os quatro dormitórios (com as aberturas voltadas para o norte), que são acessados por uma escada sinuosa (à esquerda do acesso que leva à galeria de circulação, voltada para a área de estar e jantar do térreo com duplo pé-direito). Na lateral direita, o acesso é feito por elevador. O segundo piso está em balanço em toda a extensão, cobrindo o acesso.

Estruturalmente, parte do projeto (o bloco principal) foi equacionado com duas empenas de concreto, que garantem privacidade à residência. A mesma estratégia foi empregada na parede do fundo do pavilhão. “O lado sul é envidraçado, permitindo que todos os ambientes sociais aproveitem o visual do Guaíba”, explica a equipe em texto sobre o projeto. Já o norte tem aberturas e balanço que permitem a entrada controlada do sol. A cobertura que se prolonga por cima do pátio central amplia a sensação de espaço da casa, diluindo os limites interior/exterior.

A superestrutura da casa é toda em aço, material que, na avaliação do escritório, propicia pilares e vigas extremamente esbeltos e vãos de grande dimensão. “Todo o projeto é orientado por uma malha estrutural modulada em 1,90 x 1,90 cm, evidenciadas na grelha metálica da cobertura, visível em praticamente toda a casa”, observam os autores.



Ficha Técnica

Casa Jardim do Sol
Local Porto Alegre
Início do projeto 2011
Conclusão da obra 2017
Área do terreno 1661,90 m²
Área construída 1.594,97 m²

Arquitetura Hype Studio - Fernando Balvedi, Jean Grivot, Maurício Santos, Luísa Konzen, Naiara Forneck, Luis Bonilla, Bruno Carvalho
Estrutura Constsul Engenharia
Elétrica e hidráulica Filippon Engenharia
Instalações Sistema Engenharia
Luminotécnica Sandra Thomé 
Paisagismo Karol Gehlen
Fotos Marcelo Donadussi

Fornecedores

Scheid (portas, janelas e painéis de madeira)
Monte Grappa (estrutura metálica)
Inotech (vidros e esquadrias) 
ThyssemKrupp (elevador) 
Palimannan (revdstimento piscina) 
Deca (louças e metais sanitários)
La Cava (adega)

Publicada originalmente em ARCOweb em 28 de Junho de 2018
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora