Edição 98: As oportunidades,
apesar da crise

Investimento em tecnologia na construção civil

Desde 2012, quando a Resolução Normativa 482, da Agência Nacional da Energia Elétrica (ANEEL) instituiu o sistema de compensação de energia elétrica, abriu-se uma grande porta para o desenvolvimento do setor de energia fotovoltaica no Brasil

Distante da crise econômica e com projeções de crescimento para os próximos anos, esse segmento da indústria da construção civil vem investindo em tecnologia e já produz novos módulos - coloridos e flexíveis -, que podem ser aplicados em projetos arquitetônicos com curvas nas fachadas ou coberturas.

Para mostrar os números e perspectivas da energia solar fotovoltaica no país, a revista FINESTRA entrevistou o presidente executivo e um dos fundadores da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), Rodrigo Lopes Sauaia

Outro setor que navega contra a crise é o de esquadrias de PVC. Neste caso, os bons resultados estão relacionados às exigências da norma de desempenho NBR 15.575. A tecnologia aplicada à produção dos caixilhos com esse material atende aos requisitos de estanqueidade e conforto termoacústico, padrões requeridos pela norma, segundo entrevistados em reportagem desta edição.

Também neste número, reunimos projetos arquitetônicos em que as fachadas são protagonistas: no edifício Teoemp, em São Paulo, do escritório aflalo/gasperini a planta em L fica oculta sob a lâmina curva da fachada; em Belo Horizonte, o projeto do Parque Avenida - de Torres Miranda Arquitetura -, abre suas vistas para a Serra do Curral; em Curitiba o prédio da FAE Business School mostra o desafio com precisão milimétrica para atender às solicitações do escritório Sakaguti Arquitetos Associados.

Texto de Cida Paiva| Publicada originalmente em Finestra na Edição 98
  • 0 Comentários

ENVIE SEU COMENTÁRIO

Assine PROJETO e FINESTRA!
Acesso completo grátis para assinantes


Quem assina as revistas da ARCO pode acessar nosso acervo digital com mais de 7 mil projetos, sem custo extra!

Assine agora